21 de julho de 2011

Escolhas sem retorno XXI

            A passos leves entrei no meu quarto, tentei conter os suspiros, as lágrimas e alguns soluços para ninguém dar pela minha presença. Deitei-me na cama, e custou muito adormecer, não conseguia. Dei voltas na cama, mas nada estava bem, nada me corria como eu esperava, mas ninguém me mandou ser parva, estava enrolada de mágoa até ao pescoço e só precisava de explodir. «O Rafael nunca me deu esperanças de algo mais, ou deu? Não seria justo para mim estar naquela situação? Ou até seria?» As lágrimas não paravam de escorrer pela minha cara, eu apenas pedia uma explicação, e um pouco de compreensão. Se pudesse, podiam dar-me um pouco de felicidade.
            Entre essas lágrimas adormeci, já passavam das cinco da manhã.
            (…)
            O meu pai chamava-me da sala, eram horas do almoço.
            - Bom dia. – Disse ainda ensonada.
            - Bom dia, não te ia chamar, sabemos que chegaste tarde.
            - Desculpem ter chegado aquelas horas.
            - Mas não vamos falar sobre isso, se eu te chamei, é porque tenho uma coisa muito séria para te dizer. Para vos dizer a todas. – Fez uma pausa. – Nós vamos mudar de vida. – A Letícia está no Porto. – Ficamos todas a olhar para o meu pai, e com um pouco de medo do que ele ia dizer. – Eu não quero que vos aconteça nada de mal. E, já estive a pensar. Nós vamos para Santarém.
            - O quê?! – A minha irmã e a minha mãe ficaram tolas com aquilo. Eu continuava quieta na minha cadeira, sentada, a olhar para o meu pai.
            - Cristina. Tens algo a dizer? – Perguntou o meu pai, um pouco surpreendido pela minha não-reacção.
            - Eu? Não! Vamos ter de fugir dela sempre que ela estiver perto não é? Como se fossemos uns artistas de circo, a mudar o seu lar, para poder sobreviver não é, fugir dos problemas é a melhor solução? Fugir da tua ex-mulher é o melhor não é?! – Dito isto levantei-me, e a cadeira caiu no chão, fazendo aquele barulho irritante.
            - Cristina, não acabamos de falar. Nós não podemos correr estes riscos, ela é louca, e eu não posso correr o risco de vos perder!
            - E por isso eu vou mudar mais uma vez a minha vida? Tinha doze anos, quando nos mudamos para aqui, deixei amigos, deixei lugares, eu deixei tudo por causa de uma doida varrida, não o quero fazer de novo, quando já tenho vida aqui no Porto.
            O meu pai ficou sem dizer, mas estava chateado. A minha mãe apoiou-me, a minha irmã continuava a olhar para nós, sem nada para dizer, e não percebia o porque de nos exaltarmos daquela forma.
            - Entendam que o melhor, é sairmos daqui, eu não quero correr o risco, eu não quero sair de casa sem saber o que pode acontecer. Eu não quero ir trabalhar preocupado porque a Leticia é louca. Eu não quero viver assim. - O meu pai já quase nos suplicava a mudança.
            - Faz o que quiseres. Estou farta de fazer tudo o que vocês querem, mas já nem quero saber. Para onde um vai, vão todos, não é assim. – Já não controlava o meu nervosismo e a minha raiva.
            - Tem de ser filha, é o melhor.
            - Vamos quando?
            - Para a semana, já comecei a tratar de tudo.
            A minha mãe ficou parada e não disse nada, não me apoiou não me ajudou, a Gabriela entendeu aquela fugida como umas férias ou algo do género. Eu não acreditava na mudança que viria a viver.


Continua ;)
Escolhas sem retorno XX aqui

12 comentários:

alexandra disse...

gostei imenso <3

aR disse...

Muito bonito (:
(como meteste a imagem do gatinho em vez daquele B do blogger?)

aR disse...

Obrigada (:

Marcela Maia disse...

Pobre Cristina, continua a escrever, quero saber o que vai acontecer.

RicardoRodrigues disse...

Gostei muito! x)
Eu sei... Mas eu rotulei-o de mau por não ter acabado bem x)

silvia disse...

gostei muito :)

R. disse...

Pois, eu acho uma piada doida. Uma pessoa cansada vem para casa ou então está simplesmente de FÉRIAS (o que é sinónimo de diversão e descanso) e simplesmente leva com os emplastros dos vizinhos que não sabem distinguir o que é a privacidade dos espaços comuns.

R. disse...

Olha, tal e qual como o titulo do teu blog: PRIVACIDADE PUBLICA! ;)

Gabriela ♥ disse...

Obrigada querida :)

-s disse...

Gostei muito :)

Ana Margarida disse...

Ai tão girooooo :)

Ana Margarida disse...

Ai tão girooooo :)